Garoto perde um olho após ser atingido por “tiro” de lançador de dardos

O menino foi atingido por um dardo enquanto brincava com outras crianças e acabou perdendo o olho esquerdo.

O pré-adolescente Taylor-Jay Ravicini, de 9 anos de idade, estava com alguns colegas brincando quando foi atingido por um dardo que o levou a perda do olho esquerdo.

“Disseram-nos que Taylor tinha um arranhão nos olhos, mas a verdadeira extensão foi revelada quando médicos confirmaram que ele havia ficado cego”, disse a mãe em entrevista ao colunista do Jornal The Sun.

O menino ficou hospitalizado por longos seis meses porque pegou infecção. “Foi difícil concordar com o fato de que ele era cego de um olho, mas nos acostumamos com isso”, conta a sua mãe.

Conforme conta Stacey, o tiro de dardo, ao acertar o olho de Taylor, sangrou muito, a emergência do hospital era perto, ele não demorou a ser atendido, mas mesmo assim os médicos não conseguiram manter e arrancaram o olho do pré-adolescente.

“Estava no andar de baixo e ouvi um grito devastador. Eu não consegui ir vê-lo. Pedi ao meu parceiro porque sabia que algo tinha acontecido. O olho de Taylor estava cheio de sangue”, relembra em lágrimas.

Todos os amigos e familiares se movem agora para levantar uma certa quantia em dinheiro para adquirir uma prótese realista para ele usar. Taylor sentia-se triste ao ir a escola por conta do bullying que sofria por lá, alguns alunos da escola de Taylor o chamavam de “Popeye”, o personagem de desenho animado.

Onde quer que a gente vá, as pessoas estão olhando para ele e sussurrando sobre seus olhos. Na escola, é constantemente intimidado e o chamam de ‘Popeye’. Isso realmente dói. Por que ele deveria ser tratado de forma diferente?”, indaga a mãe

Ela faz um desabafo e pede para que acabem com o preconceito. “Espero que as pessoas entendam o quanto ele precisa desse olho protético. Estou constantemente preocupada com ele e o que vai acontecer a seguir. Tudo isso tem sido uma grande montanha-russa emocional”, finaliza com esperança de que as pessoas mudem suas atitudes ante a diferença de seus semelhantes.

O garoto segue matriculado na escola e continua fazendo tratamento médico e psicológico, aguardando para realizar a cirurgia para colocar a prótese realista do olho esquerdo.