Mulher doa rim para ex-marido depois de 12 anos separados: ‘Agora somos irmãos de sangue’

Ele se casou de novo e, há quatro anos, descobriu uma doença que causou a perda da função dos rins.

O caso aconteceu aqui mesmo no Brasil, precisamente na cidade de Londrina, no estado do Paraná. Beth já estava separada de Claus Ziegelmaier há exatos 12 anos. Entre namoro, noivado e casamento, foram 17 anos compartilhando a vida em comum, o casal não teve filhos.

O ex-marido de Beth se casou novamente, anos depois adoeceu e teve falência das funções renais, 3 vezes por semana lá estava ele nas sessões de hemodialise, filtrando seu sangue por 4 horas em cada dia. Beth não sabia da condição de saúde de seu ex-marido, até encontrar por acaso a atual mulher dele no centro da cidade. “Foi um dia que eu estava muito mal e conversei com ela. Ela queria saber como o Claus estava e, neste dia, ela falou que queria pelo menos tentar fazer o exame para ver se podia ajudar ele de alguma forma”, revelou Amanda.

Claus tinha indicação para transplante renal, mas os familiares e amigos próximos foram descartados por incompatibilidade. Beth então resolveu fazer os exames e para surpresa de todos ela era compatível e apta para a doação, a ex-mulher de Claus conta que aceitou com o coração aberto ser doadora.

A quem questionava sobre o motivo da decisão de ser a doadora do ex, ela dizia: “Por gratidão, sabe? Dezessete anos junto com uma pessoa que nunca fez isso aqui de mal, fazendo um gesto com as mãos. Então eu acho que eu devia isso a ele como agradecimento da pessoa que ele foi para mim no passado”, relatou.

O transplante foi realizado e bem-sucedido no dia 30 de novembro de 2018, o transplantado já recebeu alta da UTI e se recupera no quarto do hospital .“No começo eu levei até um baque quando minha esposa falou, porque é um gesto de amor. Não de quem menos espera, mas nós tivemos uma vida juntos e fomos separados pelo destino, e o destino nos uniu de novo”, declarou Claus.

Agora transplantado Claus ganha qualidade de vida e saúde, ele fará acompanhamento médico para acompanhamento da evolução do transplante, mas já está livre da hemodialise e se recupera dentro do esperado pela equipe médica.

Em entrevista a um renomado jornal da cidade, Beth diz: “Agora ele virou meu irmão, filho do meu pai (risos) filho do meu pai e da minha mãe, deixou de ser genro para ser irmão agora”, respondeu cheia de bom humor.

Para Amanda, a atual mulher do paciente renal, não tem palavras que sejam suficientes para agradecer Beth. “Não existem palavras para agradecer o que ela fez. Ainda não inventaram essa palavra. É uma gratidão que a gente vai levar pro resto das nossas vidas”, definiu agradecida e feliz.