Mulher que comoveu o Brasil ao salvar motorista em acidente consegue tratamento contra tumor no cérebro

Leiliane foi diagnosticada há 4 meses com MAV, desde então aguarda realizar a cirurgia pelo SUS.

Leiliane Rafael da Silva, 28 anos, conquistou e comoveu ao Brasil com seu ato destemido, cheio de coragem, ao agir para salvar o caminhoneiro, João Adroaldo, de 52 anos, que estava preso dentro do caminhão no acidente com o helicóptero, que infelizmente tirou a vida do jornalista Ricardo Boechat e do piloto Ronaldo Quatrucci.

Em meio a tanta atitude e coragem, ninguém sequer imaginava o drama pelo qual Leiliane estava enfrentando.

A mulher que ficou conhecida no Brasil todo, que foi intitulada de heroína, descobriu em novembro de 2018 que tem um tumor cerebral.

Desde que foi diagnosticada com a doença, Leiliane tenta conseguir o tratamento através do SUS (Sistema Único de Saúde), porém, sem êxito. A cada quinta-feira marcada para que ela vá ao hospital, surge algum problema que a impede de realizar a cirurgia pela qual precisa passar.

Leiliane conta que a cirurgia foi marcada por 3 vezes, mas, na primeira vez em que foi ao hospital, não havia quartos disponíveis para a internação, na segunda vez não havia médicos que fizessem a embolia no local e a terceira quinta-feira em que foi chamada, a cirurgia não foi realizada pois a máquina estava quebrada.

Leiliane foi diagnosticada com MAV (Malformação Venosa), comovidos com a história da jovem, muitas pessoas entraram em contato com o programa Balanço Geral, dispostos a ajudá-la.

Um especialista convidado pelo programa explicou que, “MAV é um enovelado de vasos anormais que estão prontos para se romper a qualquer momento”, diz o médico que conclui dizendo “é uma bomba relógio, vai estourar ou não vai estourar?”.

Em alguns casos, é necessário realizar a cirurgia, em outros não é necessário o procedimento cirúrgico, tudo depende do laudo médico.

Leiliane vive com o marido e com 3 filhos, sua filha mais nova tem apenas 4 meses de idade, ela está desempregada e a família depende do salário de seu esposo, que é pouco mais de um salário mínimo.

O grande medo de Leiliane, é revelado em meio as lágrimas, não conseguir ver seus filhos crescer.

Monique Neves, fundadora de uma ONG que auxilia no tratamento de pessoas diagnosticadas com MAV, foi uma dessas pessoas que ofereceu ajuda e irá disponibilizar todo tratamento para Leiliane.

Monique também tem a MAV, na ONG mais de 40 pessoas já foram atendidas e salvas. A ONG conta com médicos especialistas na doença, cirurgiões, e disponibiliza aos pacientes todo apoio e tratamento necessários.