Preso há quase um mês, João de Deus vira réu; Juíza acatou denúncias por abuso contra o médium

Juíza de Goiás aceitou denúncia contra médium oferecida pelo Ministério Público.

Preso desde o dia 16 de dezembro, quando se entregou numa estrada de chão nas redondezas de Abadiânia,o espiritualista e médium João de Deus, agora passa a ser réu. A juíza Dr. Rosângela Rodrigues dos Santos, aceitou as denúncias que foram atribuídas a ele de abuso íntimo.

João de Deus foi apontado por centenas de mulheres, que o acusaram de abusos cometidos durante consulta espiritual na casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, onde o suposto curador realizava seus atendimentos. Foram mulheres de 13 estados brasileiros, mulheres que residem no exterior e para tristeza de seus admiradores, uma filha também era por ele violada desde os 10 anos de idade.

A TV Anhanguera, divulgou uma nota que foi enviada pelo advogado de defesa do médium, Dr. Alberto Toron, alegando que não foi comunicado da decisão da juíza. “De qualquer modo, é importante esclarecer que se trata de uma decisão provisória, sujeita à confirmação após a apresentação da resposta à acusação. Estamos serenos e confiamos na justiça”. Declara o advogado.

Segundo esclarecimentos do Dr. Alberto Toron, o seu cliente será citado e, a partir da data em que for recebida a notificação, começa a contar o prazo de dez dias para que a defesa se pronuncie apresentando uma resposta.

Neste atual momento, será possível não só rebater as acusações, como também fazer uma listagem das testemunhas. A assessoria de imprensa da juíza disse que ela não irá revelar detalhes do processo, por se tratar de um caso sigiloso.

Nesta quarta-feira, dia 09 de janeiro, João de Deus está prestando esclarecimentos sobre outro caso. O médium responde por porte ilegal de armas. A investigação foi aberta depois que vários revólveres e pistolas foram encontrados na casa dele durante operações de busca e apreensão.

A delegada Karla Fernandes, que está comandando a operação, chegou por volta das 11h20 para ouvir o médium. O interrogatório teve uma duração de mais ou menos duas horas. Esta é a segunda vez que João de Deus é interrogado pela polícia sobre o assunto.

Assim que nossas informações forem oficialmente atualizadas, repassaremos com todo respeito aos nossos leitores, aguardamos portanto, mais novidades sobre o caso do médium João de Deus.